Estudo revela qual é a pior profissão do ano; veja o ranking

0
28
Executivo frustrado (grinvalds/Thinkstock)

Levantamento do CareerCast indica as carreiras menos promissoras para 2017; 1ª colocada é considerada pior que soldado e aplicador de pesticida

São Paulo — Se você já não aguenta mais o seu trabalho, vai aí um consolo: há rotinas piores do que a sua. Pelo menos se você não é repórter de jornal, profissão classificada como a mais desfavorável de 2017 por um estudo do site CareerCast.

O ranking reúne 200 ocupações em diversas áreas de atuação, com base em métricas como renda, oportunidades de ascensão, ambiente de trabalho e estresse. Os dados se referem ao mercado de trabalho nos Estados Unidos.

Quem trabalha com notícias diárias em veículos impressos precisa lidar com salário relativamente baixo, poucas perspectivas de crescimento e muita pressão. Segundo o CareerCast, os jornalistas que cobrem política são os mais afetados pela necessidade de pensar e agir rapidamente, sem comprometer a qualidade da informação.

A segunda pior profissão do ano também está no setor de mídia: é a do apresentador de televisão ou rádio. O olhar crítico do público e os prazos quase sempre apertados contribuem para o alto nível de estresse na área.

Outro fator que explica a presença das duas profissões no topo do ranking está ligado à crise financeira que abala a indústria da mídia há muitos anos. Com a queda nas receitas com a publicidade, jornais, revistas, rádios e emissoras de TV oferecem menos vagas de emprego e remuneração mais baixa.

Tanto repórteres de jornal quanto apresentadores de TV ou rádio estão entre as 13 piores carreiras quanto às perspectivas de ascensão profissional, com crescimento negativo previsto até 2022, com queda de 8% e 9% respectivamente.

Navegue pelas imagens a seguir para ver o ranking completo do CareerCast com as 10 carreiras mais desfavoráveis do momento nos Estados Unidos: