‘Como enganei o próprio ladrão para recuperar meu laptop roubado’

0
8
Image copyrightARQUIVO PESSOAL Image captionDJ Gustavo 'Zubreu' em ação, parte do material furtado e troca de mensagens com receptador: desfecho improvável para história que costuma ficar sem solução

Figura notória na cena cultural de Belo Horizonte, o DJ Gustavo Reis, conhecido como Zubreu, enfrentou uma situação comum a muitos brasileiros: foi vítima de um furto que lhe rendeu um grande prejuízo.

Um ladrão arrombou seu carro e levou todos seus equipamentos de trabalho: computador, controladora de som, peças e equipamentos, material estimado em R$ 15 mil – sem contar os 2 terabytes de músicas.

Seria mais uma história de indignação diante de um crime sem solução, mas o desfecho, porém, foi diferente: Gustavo enganou o próprio “vendedor-receptador-ladrão” e recuperou o laptop.

A proeza não foi fácil: envolveu dezenas de mensagens, encontros tensos e tentativas – frustradas – de prisão. Confira no relato do DJ:

“Após tocar numa noite difícil (espaço aberto, vento e frio cortantes), coloquei o case com todo o meu equipamento no porta-malas do carro.

Parei numa rua mais calma para uma saideira num bar. Depois do drinque, voltei para a garagem do prédio da namorada e nem subi com as coisas: seguiria viagem cedo no outro dia.

De manhã, a surpresa: nada no porta-malas. Segurei o desespero: era um dia especial para passar com meu filho. Publiquei no Facebook a lista dos equipamentos furtados – quem sabe aparecia alguma pista?

‘Quando visto meu jaleco, me torno um sonho possível para crianças da favela’, diz aluna negra de Medicina

Nos comentários da publicação, alguém sugeriu conferir um conhecido site de vendas, a OLX. Um dia depois do furto, pelo WhatsApp, outro aviso: ‘Veja se esse computador aqui não é o seu’.

Numa rápida navegação pelo site de vendas, notei que todos os Macs usados à venda tinham foto com número de série e configurações. Chequei os dados daquela máquina e tive certeza: era a minha!

Negociações

Pedi minha namorada e meu irmão que dessem lances no site, para ‘cercar’ o vendedor e fechar negócio logo. Os outros equipamentos – fones, HDs, cabos, controladora, adaptadores – pareciam perdidos: não havia anúncio sobre eles.

DJImage copyrightARQUIVO PESSOAL
Image captionZubreu em apresentação no Carnaval; prejuízo superior a R$ 15 mil com furto de equipamentos

Meu irmão começou a negociar com o ‘vendedor-receptador-ladrão’: pediu descontos e pagamento à vista. Minha namorada perguntou sobre o estado da máquina, acessórios. Era uma segunda-feira e o vendedor dizia estar fora da cidade – voltaria dali a dois dias.

Suspeitei que ele estivesse ganhando tempo para destravar o laptop, bloqueado com senha. Fui à Polícia Civil com nota fiscal e número de série de todos os equipamentos e contei sobre a negociação.

Os policiais ficaram animados, mas só poderiam prender alguém após a confirmação da propriedade de algum item roubado. Eu teria que checar o número de série do computador antes de uma eventual prisão.

Caso perdido?

A quarta-feira chegou e nada. O negociador adiou os encontros marcados para a venda e sumiu. Pensei: ele não conseguiu desbloquear. E agora?

Eu já tinha suspendido minha conta do Facebook porque temia que o ladrão pudesse me identificar por cartões de visita (que estavam entre o material furtado) ou dados no computador. Uma busca rápida por meu nome poderia colocar tudo a perder.

Tudo estava na minha frente, no site de vendas: foto, configurações idênticas, telefone e bairro do ‘vendedor’. Eu não estava conseguindo avançar, mas pensei: vou conseguir.

Como o negociador tinha sumido, resolvi arriscar uma nova estratégia: eu mesmo fiz o contato.

No caminho certo

Segunda-feira, 12h09: ‘Mano, você ainda está com o computador para passar? Compro Mac, peças e acessórios’, escrevi no WhatsApp.

‘Tira senha de Mac?’, respondeu o receptador. Eu havia trocado meu nome no aplicativo, e ele logo me enviou uma foto da tela bloqueada com o espaço para a senha.

Era a deixa para mudar minha estratégia: não seria mais um cliente interessado, mas um provedor de serviço.

‘Está bloqueado. Tem que tirar a senha ligando no aplicativo que tenho aqui. Gasta umas três horas’, dei o falso diagnóstico.

DJImage copyrightARQUIVO PESSOAL
Image captionTroca de mensagens com receptador: oferta de prestação de serviços e desconfiança diante de movimentação policial durante tentativa de emboscada

‘Quanto? Tem loja? E formatar notebook?’. O receptador estava fisgado. Dei o preço e ganhei mais tempo: levaria 24 horas para formatar.

Passamos a trocar mensagens sobre como nos encontraríamos. Ao mesmo tempo, mantinha os policiais informados para que pudessem acompanhar o encontro.

O encontro

Chegou o dia: meio-dia, um café numa rua tranquila e de mão única. Se ele tentasse fugir, pensei, ficaria mais fácil para a polícia fechar a rua e fazer a prisão. Chegamos eu e um amigo, que levei por segurança.

Na hora marcada, o homem, que se identificava como Juliano, não desceu do carro. Avisou por mensagem que estava na frente do café com o computador.

Fomos até o carro dele e combinamos o serviço. Ele me mostrou o laptop com a tela bloqueada e perguntou se precisava do carregador. Aquela peça com remendo no fio não deixava dúvida, era o meu computador – o que depois confirmei pelo número de série.

Contive a alegria – e vontade de dar uma sambadinha. Combinei que entregaria a máquina a ele dali a três horas. A polícia, porém, simplesmente não apareceu. Mandei nova mensagem ao investigador avisando sobre o reconhecimento da máquina e o horário de entrega.

Daquela vez eu iria apenas para mostrar quem era o receptador e eles fariam a prisão em flagrante. Policiais à paisana a postos no café e fora dele. Adrenalina. No caminho para o café, porém, encontro o espertalhão com o carro parado no meio do quarteirão, no mesmo lugar de antes.

ZubreuImage copyrightARQUIVO PESSOAL
Image captionÀ direita, computador recuperado por DJ: ‘Agora é recomeçar a carreira’.

Eu levava uma mochila vazia e ele me pediu o laptop da janela. Disse que não podia entregar ali porque alguém do meu trabalho poderia ver que estava fazendo serviços por fora. Acelerei para o café e pedi que me encontrasse lá. Juliano arrancou o carro e logo escreveu: ‘(Você) Armou para mim. Esse cara aí é polícia’.

Neguei e ele disse que pararia em um bar próximo. Avisei a polícia, mas ele percebeu de novo a emboscada. ‘Tem polícia aqui também. Os três do café: camisa preta, um camisa cinza e um ‘Ray-Ban”. Respondi que deveria ser para outra pessoa ou por causa da delegacia que havia perto.

Nova tentativa

Juliano foi embora. Mais tarde trocamos outras mensagens. Ele queria a máquina pelo correio, eu insistia em encontrá-lo.

Minha ideia era recuperar o restante das coisas, mas decidi parar por ali. Ter o computador de volta já era um ganho e tanto, e não queria estender aquela relação.

Passei tudo ao investigador: números de telefone, históricos da troca de mensagens, placa do carro e anúncios no site de vendas.

Por fim, restou-me levar o equipamento na assistência técnica, para desbloquear e reinstalar todo o sistema operacional, que havia sumido no processo. E recomeçar a carreira: outros equipamentos e repertório novo – e um certo orgulho de ter passado a perna num profissional.”

A OLX, site de vendas online onde o computador furtado foi colocado à venda, informou que o caso “viola os termos e condições de uso” da plataforma.

Disse ainda que recomenda aos usuários que denunciem conteúdo irregular no próprio site ou pelo atendimento ao cliente, para que a empresa investigue o anúncio e tome medidas necessárias.

“A OLX coloca-se à disposição das autoridades para colaborar no que for necessário e ressalta que disponibiliza um botão de denúncia em todos os anúncios”, informou.

Fonte: http://www.bbc.com/